Cascas de Ëxtase


Para o poeta "Assis de Mello"

I
O elmo da garagem aflige 
o chão
e a fome do após-esterco
— pugna por gritos em pugna 
tão atroz —
gira como o azedume dos frutos pêcos
que giram com o desgalhar dos Cedros
conquanto não-crescidos 
murcham
como as mangas grávidas
em quase-aborto

e

se comparam aos poetas metafísicos
com as barbas por fazer;
e na aurora do meu olhar
surgem como cascas de êxtase,
fissuradas, 
desconjuradas.

[Oh, meu amor!
Algum sangue perambulando pelaí
há que hastear carona
na mochila do futuro...]

II
Ai!... Congemino
que a palavra 
day by 
day
não morra golfando 
como o talho.

Sob o meu queixo
uma flâmula se cobre com vento
e arrasta consigo a poesia
para proteger-me da veste inconsútil.

Célere, 
à noite [mimada tarântula],
cubro-me com um adágio apaixonado
— interstícios do amor
e da morte exorcismados —
e me permito 
face to 
face 
vagabundear
pela coerção do poema
tal qual um deus 
bárbaro
violentando o corpo da manhã.

III
Enquanto isso,
na inconsciência dos algozes cruéis,
em silêncio, o sol brocha,
designa que eu me afaste da verve possuída.

Só. 

Douro a expiação, demito a inutilidade
e asfixio o negror dos esfomeados
com os meus estercos religiosos
onde nem o marasmo flumíneo da agonia
e nem os olhos ávidos da chuva
conseguem me desviar 
do ferrão.

IV
Cerceio a lógica
e me afasto da inalterabilidade
das coisas.

Calar
seria ignorar o silêncio atroz,
e a minha voz não é covarde.

Acovardar
seria ignorar
os distintos fulcros que avisto,
e eu não sou comparte com o cais de dores...

E inda que eu não sirva 
como sentido poético,
que eu me assemelhe ao risco calculado,
que eu sirva para ser como fábula de isopor,
que eu me defina como fumaça-que-passa

— porque eu detesto
ser como a dúvida.

V
Oh, silêncio! 
Oh, cravo!
— Eu escrevo o que galo.

Ai, apraz-me ser o lume de poetar
dentro da piração grávida...

E inda que condenado 
a ser como o empirismo das tardes,
eu me afino pelo tom de alguma mão
que tateia outras mãos,

daí eu me permito 
tocar no soluço
que jaz na garganta;

daí eu me permito coexistir 
num mundo etéreo
que não me deixa amarelar.



© Benny Franklin

Nota: Fotografia de "Oleg Duryagin", meu novo amigo e astro russo da fotografia mundial que gentilmente autorizou-me a usar as suas instigantes fotografias nas postagens dos meus poemas.

5 Response to "Cascas de Ëxtase"

  1. eu me afino pelo tom de alguma mão
    que tateia outras mãos,
    daí me permito tocar o soluço
    que jaz nas gargantas,
    daí me permito coexistir num mundo etéreo
    que não me deixa amarelecer.

    Assim é o Poeta da Terra!

    OS HF

    IVANCEZAR says:

    Benny:
    Receba meu abraço e minha homenagem por esse trabalho diferenciado , coisa de poeta amadurecido , pra lá da excelência !!

    Adriana says:

    O título do poema já faz pensar, o poema todo é um êxtase de palavras e ideias singulares, a última estrofe surpreende pelas beleza. Vou ler de novo para alcançar o seu voo. Bj.

    Adriana says:

    gosto da tua conjunção de palavras, do (etér)io em tua poseia...sempre leva a outro universo...

    myra says:

    todo um jogo belissssimo de palavras e metaforas, gostei muito, um abraço, myra

BENNY FRANKLIN

Poesias Verdes Fritas

Benny Franklin. Tecnologia do Blogger.
powered by Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme | Blogger Templates | Credit Card Offers