Espumas de Embriague

Fotografia by Sidclay Dias

"Celebro a mim mesmo e canto a mim mesmo"
(Walt Whitman)
 
Para Octávio Pessoa
(Cavaleiro do mesmo sonho)

I - Mais que submissas galas
são nádegas de óvnis âmbares
− gêneses das frescas hortelãs recém-colhidas −
são corrupções de altares fêmeos
com fragrâncias e urros de lavanda
pós sexo.

No poema: o veludo da palavra
e as abelhas de fino corrimento
tecem tráfegos nas bainhas,
retalham becos de mim
e decifram Fênix.

II - Diante dos recados do vento
corações de quatro ou cinco homens feridos no front
e não satisfeitos com os mofos tácitos das fugas
vergam suas virgindades quase ao chão

― Apesar do cachimbo da aurora
desentupir seus soluços e seus relâmpagos frios,
em caso de empate, haver-se-á por eleito a foice mais idosa
quando atrair para si o cansaço e desnudar o escuro
(o desagravo ao rosário)
teimando em não se livrar deste poema
irreverente e irrequieto

― Apesar dos hímens das espumas de embriague
impor redemoinhos a qualquer banzeiro cru,
suas flores não haverão de ser como um perfume
que sacode o corpo suicida,
e por que não o soluço?

― Apesar do estrume da palavra em oração
impor limites e redefinir suas escamas,
o húmus de qualquer alimento nu
não haverá de ser como o tropeço da alma
que dia a dia protesta contra o que geme,
e por que não contra o silêncio?

― Apesar do relâmpago da palavra elétrica
impor à força estômagos vazios aos mendigos de Belém
haver-se-á o pára-brisa do olfato
de aromar-me com o sabor do medo
para livrar-me das trôpegas bolhas ignorantes,
as que velam o penúltimo verbo que gela,
e por que não os crespos dos cabelos?

III - Com retesada arrogância
roça-se a primavera mocoronga
na palavra que extasia

― Esta ente-dor
em parto de belemita gravidez.

IV - Obedeço aos gozos dos penhascos espetaculosos
que nem sempre testificam
a cascata que falha...

Mas (oh!)
Casar-me-ei com o vazio
ainda que eu veja adiante um palmo,
a fome da expiação.

Mas (oh!)
Sou eu o que inodora a curva.
E ao criar o gume amarelecido
gloria-me-ei nos porosos filamentos da fraqueza,
se assim for a vontade da partida.

Mas (oh!)
Para onde me ausentarei
do meu segredo?
Para onde escaparei
da minha fossa?

Mas (oh!)
Com este grito manco
tento compartilhar meus fenóis
com outras cavalgaduras.

© Benny Franklin
Twitter: BennycFranklin

6 Response to "Espumas de Embriague"

  1. IVANCEZAR says:

    Um belíssimo poema, com a marca registrada de Benny Franklin.
    Ando muito ausente, fruto das pressões profanas que, impiedosas, sugam o tempo que as letras clamam.
    Abraços do sul do Brasil !

    LiLa BoNi says:

    É muito bom estar aqui te lendo!!!
    Mil beijos !!!!!

    Querido Benny, coloquei o seu Blog em destaque no meu para que assim possa vir mais vezes aqui.

    Bjs

    Estive já por aqui e cá estou outra vez. Belo espaço para as letras e para remover este triste índice de leitura de 2 livros/ano por brasileiro. Na Argentina, são dezoito livros/ano.
    Te convido a conhecer meus romances. Três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
    Um grande abraço e boa leitura!

    Kika says:

    Sempre Benny...

    É um deleite sorver sua palavra. Cortante e encantador, me inunda a alma...

    Meu carinho

    imoveis a venda

BENNY FRANKLIN

Poesias Verdes Fritas

Benny Franklin. Tecnologia do Blogger.
powered by Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme | Blogger Templates | Credit Card Offers